Leigos Dehonianos

São Leigos dispõem a viver uma consagração a Deus através do carisma dehoniano. Vive este compromisso no seu dia-a-dia, em toda sua vida ou parte dela.

O que é o termo dehoniano?

O termo dehoniano refere-se ao nome Dehon. Padre Dehon foi o fundador da Congregação dos Padres do SCJ. Ele é responsável pelo carisma dehoniano carregado por seus filhos espirituais, espalhado nos diversos ramos da família dehoniana: religiosos, Leigos dehonianos, MDJ, entre outros.

Quem foi Padre Dehon?

Padre Dehon nasceu no dia 14 de março de 1843 em La Capelle (norte da França) e faleceu em Bruxelas (Bélgica) no dia 12 de Agosto de 1925. Guiado pelo Espírito Santo Padre Dehon cultivou um amor intenso ao Coração de Jesus. Em 28 de junho de 1878 fundou a Congregação dos Padres do SCJ (Dehonianos).

De onde surgiu o carisma de Padre Dehon?

O carisma de Padre Dehon surgiu através de uma experiência mística que ele teve com o Coração de Jesus aberto na Cruz. Pela sua tamanha espiritualidade e intimidade com Cristo, ele fez a experiência de entrar pelo lado aberto de Cristo e sentir o que seu Coração sentia no alto daquela Cruz.

Assim sentiu com sua própria carne que o Coração de Jesus que tanto amou pouco foi amado pela humanidade, e necessitava de ser amado por nós. Presenciou que sua morte de Cruz foi por tanto nos amar, mesmo não tendo sido correspondido pelo mundo. Ora este coração transpassado pela lança, sofre golpes a todos os segundos desde a crucificação, pelos pecados do mundo e a maldade dos homem, que ao invés de voltar-se para o Amado, continuam a ferir o coração D´Ele. Este coração precisa ser amado por nós dehonianos e para isto devemos consumir nossas vidas para a salvação dos nossos irmãos e sacrificar nossa vida, nossa vontade por amor a este coração, para que Ele utilize de minha vida como bem entender, para que eu possa ser um instrumento do Amado, deste Coração que continua a pulsar de amor por mim, e por toda a humanidade.

Assim com o intuito de tornar ainda mais amado este coração pela humanidade Padre Dehon recebe do Espírito Santo, através de sua experiência mística, o carisma de viver a sua vida em amor e reparação ao Coração de Cristo.

Qual origem dos Leigos Dehonianos?

O carisma dehoniano foi comunicado a todo ambiente que rodeava Padre Dehon e também atingiu os leigos que se sentiram chamados por Deus e se propuseram a viver sua espiritualidade ao modo de Padre Dehon.

Assim em 1889 Padre Dehon fundou uma associação de Leigos de caráter pontifício: ADVENIAT REGNUM TUUM, aprovada pelo Papa Pio XI, no dia 14 de Março de 1893. Os padres missionários chegaram ao Brasil em 1903 e então iniciaram seus trabalhos propagando assim o carisma dehoniano.

Perfil do Leigo Dehoniano

Vocação Batismal

Os Leigos Dehonianos (LD), sãos cristãos que vivem sua vocação batismal no ambiente familiar, escolar, profissional, político e eclesial em que está inserido e sentem o chamado para viver segundo um carisma específico: o carisma dehoniano.

A Espiritualidade do LD

Os Leigos Dehonianos assumem como seus, o caminho espiritual de Padre Dehon. No lado aberto e no coração transpassado do salvado, Padre Dehon viu concretizada a expressão máxima do amor de deus Pai pela humanidade. Percebeu que a causa dos grandes males da sociedade é a recusa deste Amor. Irresistivelmente atraído para dar-lhe uma resposta, quer fazer de toda a sua vida, uma expressão de amor e oblação.

Carisma dehoniano

A identidade de todos os membros da Família Dehoniana é configurada a partir do nosso “carisma”. De maneira bastante sintética, poderíamos dizer que o carisma dehoniano consiste na “União ao Coração de cristo na sua oblação reparadora ao Pai em favor da humanidade”.

Este carisma tem 3 elementos centrais e inseparáveis:

1. União ao Coração de Jesus: a comunhão com deus e com os irmãos é o princípio e fundamento do carisma dehoniano. Trata-se de uma comunhão tão intensa, que faz cada um de nós “outro Cristo”. Isto foi bem expresso pelo apóstolo Paulo quando diz: “Minha Vida presente na carne, eu a vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e se entregou a si mesmo por mim” (Gl 2,20).

Somos Configurados ao amor de Deus, por isso nos propomos a termos os mesmo sentimentos e atitudes do Coração de Jesus. Ele teve atitudes de escuta, disponibilidade, respeito, serviço, diálogo, ternura, acolhida, cordialidade. Exprimimos a união com o Coração de Jesus por amor à Palavra de Deus, à Eucaristia e à Adoração Eucarística. Nossa fé proclama que “Jesus é o rosto humano de Deus e o rosto divino do homem”. Por isso, “a evangélica opção preferencial pelos pobres está implícita na fé cristológica naquele Deus que se fez pobre por nós, para nos enriquecer com sua pobreza”. Essa opção nasce de nossa fé em Jesus Cristo, o Deus feito homem, que se fez nosso irmão. Opção evangélica, no entanto, não exclusiva, nem excludente (cf. Hb 2,11-12; DA 8.3,392).

Vivemos a comunhão na e com a Igreja, por meio do engajamento na comunidade local, em consonância com a pastoral de conjunto da paróquia e/ou diocese, participando do grupo de Leigos Dehonianos. Padre Dehon exprimiu toda esta primeira dimensão do Carisma pelo lema bíblico: “Sint unum” (Jo 17,22) – Que todos sejam um!

2. Sua oblação ao Pai: oblação é oferta livre e gratuita. É disponibilidade à vontade do Pai em favor da humanidade. É disponibilidade à vontade do Pai em favor da humanidade. É entrega generosa de si mesmo nas mãos do Pai. É abandono. É sacrifício. É obediência. É disposição para dar a vida pelos irmãos. É a consequência imediata do amor. A vida de disponibilidade, de oblação, representa a primeira atitude do Mestre. O “Eis-me aqui” de Jesus e o “Eis aqui a serva do Senhor” de Maria são as expressões de total disponibilidade e marca o momento da Encarnação, primeiro passo de toda a redenção. Juntos com o apóstolo João e nossa mãe, Maria, ao pé da cruz, contemplamos no lado aberto de Cristo e no seu coração transpassado, a expressão mais evocadora deste Amor, que se doa até a última gota (cf. Jo 19, 31-37). A oblação é a dimensão central do carisma dehoniano. Ela define a nossa identidade. Reafirmamos esta disposição, fazendo diariamente, o nosso “ato de oblação”. Padre Dehon exprimiu esta segunda dimensão do carisma nos seus dois lemas preferidos: “Ecce Venio” (Hb 10,7) e “Ecce Ancilla” (Lc 1,38) – “Eis-me aqui” e “Eis aqui a serva do Senhor”.

3. Reparação em favor da humanidade: a união com o Coração de Cristo, na sua oblação ao Pai faz de nós colaboradores de Deus na obra da redenção. Como dizia nosso Fundador, queremos instaurar o Reino do Coração de Jesus nas almas e na sociedade. A reparação define a nossa missão. Significa “acolher o Espírito”, que renova todas as coisas (Rm 5,5; 2 Cor 3,6) e que faz os nossos corações semelhantes ao de Cristo Jesus. É dar um coração novo para um mundo novo. É implantar a “civilização do amor”. Nossa reparação, hoje, deverá consistir em restaurar a face de Cristo nos “rostos desfigurados” pelas diferentes formas de injustiças sociais, pelos sofrimentos de toda ordem e pela falta de fé e de um sentido para a vida. Neste contexto, ganha novo sabor falar de reconciliação e reparação. Fazemos reparação por meio de nosso engajamento em obras de promoção humana e transformação da sociedade. Fazemos reparação transformando o nosso mundo, o ambiente em que vivemos, em sinal do Reino definitivo. Seguimos os passos de Padre Dehon em seu grande apostolado social. Nosso Fundador exprimiu seus anseios reparadores no lema: “Adveniat Regnum Tuum” (cf Mt 6,10) – Venha a nós o vosso Reino!

Caminho Formativo

Vocação:

Aos leigos que apresentam sinais de chamado para viver seu batismo ao “modo dehoniano”, é oferecida uma proposta de uma caminho de formação, além da participação das reuniões de algum grupo de LD. Um leigo dehoniano acompanhará pessoalmente o (s) iniciante (s), no seu discernimento vocacional.

Requisitos para a admissão:

Participação assídua durante o período de preparação, no mínimo por seis meses com encontros semanais.
Sinais claros da vocação dehoniana
Maturidade humana e equilíbrio pessoal.
Uma profunda orientação cristã e engajamento na comunidade.
Apreciação do seu acompanhamento vocacional.
Conhecer a espiritualidade dehoniana (período da formação), integrando-a como fundamento da sua vida espiritual.
Apresentação do pedido por escrito, antes de assumir o primeiro compromisso.
Disposição para participar da Eucaristia com frequência, rezar diariamente o Ato de Oblação e fazer pessoalmente sua Adoração Eucarística (recolhimento em atitude de adoração) diária de pelo menos 15 minutos e viver com intensidade a mística da solidariedade.
Não deverão ser aprovados para compromissos temporários, os candidatos que não cumprirem os requisitos acima citados.

Compromisso

A integração do candidato ao LD e a renovação do compromisso acontecerá em uma celebração eucarística no dia 12 de Agosto – Dia da Família Dehoniana.

Primeiro Compromisso: marca a integração do candidato aos Leigos Dehonianos. Para tanto, haverá quatro momentos:
1º. O candidato pronunciará publicamente seu compromisso;

2º. Receberá oficialmente o Projeto de Vida;

3º O Livro Dehonianos em Oração;

4º Será investido da “Cruz Dehoniana”.

Renovação do Compromisso: anualmente cada leigo dehoniano deverá renovar seu compromisso no dia estabelecido ou excepcionalmente, no momento oportuno, em diálogo com a Coordenação Local e seus respectivos assessores.
Compromisso definitivo: Poderá ser feito depois de 7 (sete) anos consecutivos de compromisso temporário.