(47) 3351-1258
(47) 3351-1063
(47) 9.9186-2335
 
 
Fé e emoção na acolhida da Cruz Missionária

Aumentar Fonte +
Diminuir Fonte -
Dois dias de peregrinação, bênçãos e emoção. A Cruz Missionária, sinal da fé que os missionários testemunham e levam há tantos lugares, visitou a Paróquia São Luís Gonzaga nos dias 12 e 13 de setembro. A Cruz abençoada pelo Papa Francisco esteve no Colégio e Faculdade São Luiz, Apae, Lar dos Idosos e Cagere, além de ser acolhida no Terço Missionário e Santa Missa.
E já que a Cruz Missionária estava em Brusque, a Igreja Matriz se preparou de uma maneira toda planejada, pois é assim que se recebe uma visita especial, ainda mais, vinda de tão longe. Foram dois dias de visitas e peregrinação, de bênçãos e emoções. Mãos que se estenderam em direção à Cruz Missionária, olhares que de gratidão se fecharam ao vê-la pela primeira vez, ali, tão pertinho do povo, abençoada pelo Papa Francisco. A abertura do Mês Missionário extraordinário e das Missões começa em Brusque no final da próxima semana: no dia 27 de setembro, quando a paróquia realizará a abertura na comunidade São José, bairro 1º de Maio. 

Peregrinação
No dia 12, quinta-feira, a Cruz Missionária visitou o Colégio São Luiz, o Cagerê e o Convento Sagrado Coração de Jesus. No dia 13 ela percorreu a Associação de Pais e Amigos do Excepcionais (Apae) de Brusque, o Lar dos Idosos Vó Adele e a Casa Geriátrica Dilony. A noite, em seu último momento na Matriz, a Santa Cruz permaneceu no altar durante o Terço Missionário e a Santa Missa. Ao término da celebração, os fiéis puderem se aproximar mais. Chegaram bem pertinho, oraram ao tocá-la com fé e gratidão. Dali, a cruz seguiu seu caminho, ela não pode parar. No dia seguinte, seu destino seria a Paróquia São Judas Tadeu, no bairro Águas Claras, e depois visitaria a Unidade Prisional Avançada (UPA) de Brusque, antes de seguir para o município de Itajaí. Ela irá percorrer toda a Arquidiocese de Florianópolis até o final de outubro.
A Cruz Missionária é um sinal de fé. “A cruz, para nós católicos, tem um peso enorme, porque é sinal da vida nova, de ressurreição: Jesus que está vivo e presente sempre conosco. O Papa abençoa todas as cruzes missionárias para ir a todas as dioceses, preparando para celebrar o mês missionário, que acontecerá em outubro”, explica o pároco da Igreja Matriz São Luís Gonzaga, padre Diomar Romaniv.

Alegria em receber
Após o primeiro dia de peregrinação, a cruz chegou à Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Brusque na sexta-feira, dia 13, pela manhã. Bastante emocionado, o presidente da entidade, Sebastião Ernani Poia, declarou sua alegria em saber que a Apae foi um dos locais por onde a Cruz passou. “Nós ficamos imensamente felizes pela Cruz Missionária ter nos visitado e também pelo padre Diomar, pelo carinho que ele tem com a Apae. Vimos aqui, no olho dos alunos, a alegria de estarem participando deste momento".
A visita da Cruz Missionária causou grande expectativa entre alunos e funcionários da entidade em recebê-la. Largos eram os sorrisos estampados nos rostos, que se apressavam para encontrar um lugar frente à cruz para observá-la, nas mãos do padre Diomar. Quando ela passou de um por um para ser tocada, a emoção não se disfarçou em nenhum rosto. "Era um momento muito esperado por nós, de receber uma bênção e ter a graça de Deus na nossa Apae para encerrarmos esse ano com chave de ouro. Essa visita foi fantástica”, declara Poia.

"Seja vitorioso com a cruz que Deus te deu"
A oração do Terço Missionário teve início às 18h, na Igreja Matriz, seguido da Santa Missa, presidida pelo padre Airton Franzner, pároco da igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, de Guabiruba. Com 25 anos dedicados como padre missionário na África e no Maranhão, o sacerdote dividiu com os fiéis suas experiências ao servir ao chamado. "Desejo que cada um, na sua caminhada missionária, tenha dificuldades, mas tenha também o sucesso e as alegrias, para que a gente não desanime diante da cruz, mas, sim, olhe para ela como uma bênção", destaca. "É um passo maravilhoso que a gente pode dar. Além de aprendermos a fazer muitas coisas, conhecemos pessoas, e isso abre o horizonte da gente, é muito bom", diz Pe. Airton.

Noite especial
A Cruz permaneceu junto ao Terço Missionário, acompanhada do símbolo das missões no mundo. As cores verde, vermelho, branco, azul e amarelo estavam expostas nos degraus do altar, representando os continentes do mundo, pois em todos eles existem missões. Havia também uma imagem de Nossa Senhora Aparecida em destaque. Foi uma noite de muita emoção para a coordenadora da animação missionária da paróquia, Norma Maria Lira. Ansiosa pela chegada da Cruz Missionária, ela a imaginou de jeitos diferentes, mas nada se compara ao primeiro encontro. "Foi muito emocionante desde o primeiro momento que a vi. Fiquei encantada. Foi uma noite muito especial. Isso tudo é para Jesus, em agradecimento por tudo que ele faz por nós", declara.

Origem da cruz missionária
A caminhada da Cruz Missionária teve origem na América Latina, quando o Papa Francisco em visita à Bolívia, em julho de 2015, foi apresentado a quarenta cruzes no formato que é conhecido até hoje. O Pontífice as abençoou e, a partir daquele ano, elas começaram a percorrer os países da América Latina e as dioceses bolivianas, com a finalidade de preparar para o 5° Congresso Missionário Americano, que aconteceu em julho de 2018. A Comissão Missionária Nacional trouxe ao Brasil um dessas cruzes, que se encontra na sede das Pontifícias Obras Missionárias, em Brasília. A Arquidiocese de Florianópolis recebeu a Cruz que peregrinará nas paróquias em que há hospitais, presídios, centros de tratamento de pessoas com dependência, casas de acolhida de idosos, universidades e colégios católicos. 
"A cruz missionária recorda a Páscoa de Jesus que ilumina nossa vida e missão. Faz memória das missões Jesuítas da Bolívia e a Evangelização dos povos da América Latina. Ela expressa o amor infinito de Deus e salvação da humanidade. Hoje, a cruz continua inspirando a Evangelização dos povos e animando a espiritualidade da ação missionária". (Pontifícias Obras Missionárias).
Significado da Cruz Missionária
A haste da cruz está em forma de espiral ascendente. Recorda o movimento característico da missão que parte da encarnação em direção à Páscoa de Jesus, crucificado e ressuscitado que ilumina e transforma a realidade. Os cravos testemunham o martírio de Jesus na Cruz. As flores que brotam da cruz representam a vida nova que nasce da Páscoa de Jesus Cristo. Em meio à dor e sofrimento, Deus se manifesta e faz ressurgir a esperança e alegria do Evangelho. A inscrição IHS significa: Jesus, Filho de Deus, Salvador dos Homens. Relíquia de Santa Nazaria Ignacia, fundadora de uma congregação religiosa missionária na Bolívia.

 
Indique a um amigo
 
 
Conteúdo Relacionadas
CADASTRE SEU E-MAIL

E RECEBA NOVIDADES